Domingo, 11 de Setembro de 2005

Ocos todos os sons

E se a tarde assim fica
nevoenta parada
e de mim ausente não encontro
urdidas teiazinhas
que me seguram aos dias,
pode acontecer
que sarça escura ou fogo me cerquem
o olhar. Porque é tarde.
E ondula descompassado o ar que expiro
e são ocos todos os sons.

Então ela vem, asas, a gata
de borboleta no fundo
da pupila de ouro, vem
cravando no silêncio opaco os passos
e entra
no círculo da minha aflição.

Nenhum abrigo. Mas o toque
na palma da mão perdida -

E o vento sopra para longe as nuvens
e da noite ladram ao longe os cães.


Soledade Santos

 

 

publicado por arcadajade às 15:19
link do post
correio da arca

espólio da arca

sobre mim

tags

todas as tags

RSS

moon phases