Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Em louvor de Bastet

Animais associados a divindades eram frequentemente mumificados, nos últimos períodos da História do Egipto. As maiores concentrações de múmias de gatos foram descobertas em locais relacionados com o culto de divindades felinas. O gato estava associado à deusa Bastet, cujo culto tinha como centro Bubastis, no Delta, mas outras divindades felinas eram veneradas em diferentes locais do Egipto.



Este gato está cuidadosamente enfaixado, segundo um estilo comum nos períodos grego e romano do antigo Epito. De facto, era dedicado um grande esforço e atenção às faixas e à aparência externa, embora o interior da múmia por vezes ficasse incompleto.
Ao que tudo indica, muitos destes gatos não morreram de morte natural - exames realizados no Museu Britânico revelaram que muitos morreram com menos de um ano de idade. Presumivelmente, seria feita uma razia periódica na gataria do templo para efeitos de mumificação e venda aos crentes. Enterrar um animal mumificado numa catacumba especial era visto como um acto piedoso em relação à divindade representada pelo animal.
Infelizmente, muitos cemitérios de gatos foram pilhados antes de os arqueólogos terem tido oportunidade de os estudar: 180.000 múmias foram trazidas de barco para a Grã Bretanha, no fim do século XIX, para serem transformadas em fertilizante.


J. Malek, The Cat in Ancient Egypt, London, The British Museum Press, 1993 (tradução da arcadajade)

 

publicado por arcadajade às 15:59
link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2004

Porque pintam os gatos? I

O Gato Lápis-Lazúli
Image hosted by Photobucket.com
Papiro funerário, Bodhead Library, Oxford


Rá, deus do Sol, sob a forma de um gato
pintura mural.jpg
Pintura mural do túmulo em Deir el Medina, c. 1250 a.C.

 

 

publicado por arcadajade às 01:08
link do post
correio da arca

espólio da arca

sobre mim

tags

todas as tags

RSS

moon phases