De sete-sóis a 24 de Novembro de 2009 às 20:09
Aquele gatinho quase passa despercebido, porque a leitura, as paredes, a cadeira, o lume, prendem-nos a atenção. Mas depois, aí surge ele, uma figura tão familiar e mágica como tudo o resto ali, quando crepitado pelo lume.
De arcadajade a 25 de Novembro de 2009 às 17:35
Eu não diria melhor, sete-sóis :-) E o lume apeteceu-me depois da tarde em tua casa, à lareira
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.